Publicidade

Artigos de saúde

Sistemas de Informações de Saúde para Consumidores

Nos últimos anos, as informações de saúde vêm sendo muito disseminadas entre a população em geral. Depois de décadas, com o desenvolvimento de sistemas de informações designadas primariamente para médicos e outros profissionais de saúde, atualmente, está havendo um aumento da busca de informações médicas por consumidores e pacientes, principalmente através da internet e de órgãos de telecomunicações. Os sistemas de informações para pacientes e consumidores representam um ramo dos sistemas de informações médicas, que analisa as necessidades de esclarecimentos sobre saúde dos consumidores, estuda e implementa métodos a fim de tornar as informações médicas acessíveis à população e, por fim, integram os interesses dos consumidores com o sistema de informação médica. Tentando mostrar os meios de informações de saúde para consumidores, e qual o papel desses meios na atualidade, bem como avaliar o conhecimento que esses transmitem, a acessibilidade e a qualidade das informações disponíveis, um pesquisador alemão, o Dr. Gunther Eysenbach (da Universidade de Heidelberg, Alemanha), realizou uma avaliação deste sistema de informações existente atualmente. O estudo foi publicado na revista British Medical Journal em 24 de junho de 2000.

Informações de Saúde na atualidade

O Dr. Eysenbach acredita que, depois de anos de desenvolvimento de meios de divulgação que davam suporte somente à infraestrutura médica, a tecnologia da informação e os meios de comunicação estão começando a integrar parte da concepção moderna de saúde pública e de políticas de saúde em muitos países, os quais, cada vez mais, se interessam pela informação de saúde à população. Esta tendência parece resultar dos esforços em cortar os custos com a saúde pública, ensinando à população como ajudar a si mesma e como fazer escolhas de tratamentos médicos, desta forma dando mais autonomia às pessoas em relação à sua saúde.

Levando o conhecimento médico aos consumidores

Um desafio, que o autor acredita existir, é o desenvolvimento ou a adaptação de programas de computador (software) já existentes, destinados a médicos, para o uso dos consumidores em suas casas. Estes programas foram originalmente desenvolvidos para promover recomendações aos médicos sobre diagnóstico e tratamento das doenças. Como estes programas são mais usados por estudantes e residentes do que por médicos, fica demonstrado que os usuários inexperientes os aproveitam mais que os experientes e que, desta forma, os mesmos podem ser estendidos às pessoas leigas, com a adaptação dos programas às suas necessidades específicas. Um desses programas de suporte a médicos já foi adaptado para consumidores, o HouseCall, programa que produz o diagnóstico baseado nos sintomas e na história clínica dos usuários. Os especialistas que analisaram o programa chegaram à conclusão de que o mesmo era de fácil entendimento. Quanto aos consumidores que já o haviam consultado, estes ficaram satisfeitos com o acesso dessa tecnologia em casa, para investigar sobre saúde e assim participar da resolução dos seus problemas médicos. O autor lembra que estes sistemas não poderão de maneira alguma substituir as consultas médicas, mas podem fazer com que estas se tornem mais produtivas para médicos e pacientes, e ajudarem na triagem destes. Por fim, esses programas não podem fazer o diagnóstico definitivo e nem propor o melhor tratamento, mas podem responder a simples perguntas, tais como: "eu preciso ver um médico?", ou podem alertar pacientes a respeito de efeitos colaterais de drogas e outros riscos para a saúde.

Dispositivos eletrônicos acessíveis para pacientes

Os sistemas de informações para pacientes permitem que as pessoas tenham informações como diagnóstico, resultados laboratoriais, fatores de riscos pessoais e prescrição de drogas. Uma maneira de facilitar o acesso dos pacientes às suas informações médicas pode ser através da Internet ou pela adoção de cartões de magnéticos, ou ambos. O uso destes cartões foi recentemente anunciado pela União Européia, que pretende permitir a todos os cidadãos europeus a possibilidade de acesso confidencial a suas informações de saúde, até o ano de 2003. Os cartões poderão ser usados para armazenar as informações diretamente ou usados para permitir o acesso às mesmas na Internet, como se fossem chaves, como são os cartões bancários. Futuramente, estas informações poderão ser acessadas por telefones celulares, computadores de bolso e agendas eletrônicas.

Decisões que auxiliam nas escolhas dos pacientes

Os aplicativos para informações aos pacientes estão sendo desenvolvidos para ajudar os médicos a integrar as preferências dos pacientes com as evidências científicas. Eles podem auxiliar os pacientes a fazer escolhas de tratamentos que podem levar a diferentes resultados. Como por exemplo, a decisão sobre o uso de pílulas anticoncepcionais, que deveria levar em conta não somente os fatores de riscos pessoais, como o tabagismo, mas o desejo de escolha da paciente, que poderia optar entre os resultados: uma gravidez indesejada ou risco de trombose venosa profunda.

Controle da qualidade das informações de saúde na Internet

A Internet é um vasto recurso, mas para se usufruir de todo o seu potencial é necessário que os consumidores tenham acesso à informações com alto controle de qualidade. Também é indispensável seja ensinado aos pacientes como obter informações de qualidade. Várias iniciativas para o controle de qualidade das informações médicas na Internet estão sendo desenvolvidas e incluem programas de educação para consumidores, que ensinam a classificar e a regular os provedores, e a avaliar as informações fraudulentas e nocivas à saúde. Já está disponível na Europa o medCERTAIN, o qual classifica em diferentes níveis de qualidade os diversos sistemas de informações sobre saúde pela internet. Vários grupos vêm desenvolvendo programas para educação dos usuários e que ajudam na seleção de informações de qualidade, mas nenhum deles ainda tem eficácia comprovada.

Fonte: BMJ 2000;321:13-17 (24 june)

Copyright © 2000 eHealth Latin America



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: