Publicidade

Notícias de saúde

Compra de lentes corretivas na farmácia está com dias contados

28 de agosto de 2009 (Bibliomed). Entrar numa farmácia e escolher no balcão da loja, sem receita médica, as lentes que corrigem problemas visuais corriqueiros, como a chamada vista cansada, por exemplo, será mais difícil daqui em diante. Segundo decreto federal de 1934, somente aos médicos cabe a tarefa de indicar o uso de lentes corretivas mediante exame de acuidade visual. E, este mês, o Conselho Federal de Medicina (CFM), reforçou esse posicionamento, aprovando parecer que reafirma que a adaptação de lentes de contato é um procedimento exclusivo do médico, pois requer, para a sua realização, conhecimentos de anatomia, fisiologia, patologia, indicações e contra-indicações.

Recentemente, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) também baixou resolução - RDC 44/09 - que proíbe o comércio de lentes de grau nas farmácias, exceto quando não houver estabelecimento específico para esse fim no município, conforme legislação vigente. Com isso, as entidades reafirmam a necessidade de exames médicos especializados e um acompanhamento contínuo de um médico para o uso de lentes corretivas.

De acordo com os especialistas, independentemente da questão comercial, o consumidor deve estar atento às diferenças no tipo de atendimento prestado por um oftalmologista e por um balconista de farmácia. "Os consultórios oftalmológicos contam com equipamentos apropriados para avaliar detalhes do fundo do olho, como as condições de lubrificação e pressão corneana. Isso quer dizer que só os oftalmologistas conseguem prever, por exemplo, se um paciente terá dificuldade para se adaptar às lentes de contato" destaca o oftalmologista Virgilio Centurion, diretor do Instituto de Moléstias Oculares. "O oftalmologista também está apto a detectar outros tipos de problema de saúde durante o exame de rotina. É possível diagnosticar, por exemplo, quando há condições para o desenvolvimento de doenças sistêmicas como diabetes e hipertensão, além de glaucoma, catarata e conjuntivite", completa.

Os óculos vendidos prontos nas farmácias são contra-indicados por muitas razões que podem prejudicar a saúde ocular. Segundo os especialistas, muitas vezes, suas lentes vêm com irregularidades que distorcem a direção da luz, podendo agravar a presbiopia, e não há proteção contra raios ultravioleta nas lentes. Além disso, alguns testes revelam uma variação de cerca de 5% em relação ao grau atribuído a eles. Outro problema é que esses óculos são feitos em tamanhos padronizados, com aros que dificilmente conseguem deixar o centro ótico da lente alinhado com os olhos, e, a maioria vem com armações feitas de plástico – pouco resistentes.

Lentes de contato

Os problemas oftalmológicos mais comuns são os vícios de refração, cuja correção pode ser feita com óculos, lentes de contato ou cirurgia. Embora a maioria das pessoas possa usar lentes de contato, existem restrições quanto à idade do paciente, à motivação, à expectativa, às condições psicológicas, ao grau de responsabilidade, além da presença de doenças oculares e sistêmicas. "É muito importante salientar que as lentes de contato são corpos estranhos em íntimo contato com a córnea e que precisam ser adequadamente adaptadas. Seu uso deve ser controlado, pois o usuário está sempre sujeito a complicações, que vão desde conjuntivites irritativas a úlceras de córnea e mesmo perda da visão", destaca a oftalmologista Sandra Alice Falvo.

As determinações do CFM e da Anvisa reforçam que a adaptação de lentes de contato é um ato médico, um processo contínuo e dinâmico que exige, além de boa acuidade visual e conforto, a manutenção das condições fisiológicas do olho dentro de limites seguros. "Tal controle requer amplo conhecimento oftalmológico, no sentido de selecionar, adaptar e orientar os candidatos quanto ao uso e à manutenção das lentes, além de prevenir e detectar os primeiros sinais de perigo ocular. Somente assim, pode-se diminuir o crescente aparecimento de complicações pelo uso de lentes de contato, aumentando a confiança dos futuros usuários e o número dos beneficiados por este tipo de correção ótica", explica a oftalmologista.

Fonte: Excelência em Comunicação na Saúde/ Instituto de Moléstias Oculares. Press release. 27 de agosto de 2009.

Copyright © 2009 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: