Publicidade

Artigos de saúde

Má Alimentação é Causa de Obesidade

Equipe Editorial Bibliomed

Neste Artigo

- Introdução
- Obesidade e Doenças
- Não Existe Milagre
- O Segredo do Sucesso


"A obesidade é um problema que já virou epidemia nos Estados Unidos e avança a passos largos no Brasil, atingindo cerca de 30% da população. A situação é tão grave que o excesso de peso já se transformou num caso de saúde pública. Além dos fatores genéticos, o problema está relacionado à qualidade da alimentação" .

Introdução

Corre-corre, estresse, vida moderna. Cuidar bem da alimentação é um dos desafios do cotidiano corrido de quem vive nos grandes centros urbanos. Em meio a tantas facilidades para conseguir comida rápida e industrializada, fica difícil manter uma dieta saudável e recusar as ofertas dos fast foods e dos restaurantes de comida a quilo. O resultado de tudo isso é que a população mundial está cada vez mais obesa e, no Brasil, não é diferente. O problema é tão grave que o assunto já é tratado como caso de saúde pública e já se transformou em epidemia nos Estados Unidos. No Brasil, por incrível que pareça, enquanto 30% da população passam fome, outros 30% são considerados obesos.

Obesidade e Doenças

Além dos fatores genéticos, a obesidade é resultante do descompasso energético, onde a energia ingerida excede a que o organismo gasta. Esse desequilíbrio pode ser o resultado da ingestão calórica excessiva, baixo gasto energético, ou da combinação de ambos. A única forma de controlar tal descompasso é com reeducação alimentar e atividade física. E vale a pena tentar, afinal, de acordo com os nutricionistas, a obesidade é fator de risco para cerca de 60 doenças crônicas, dentre elas a hipertensão arterial e o diabetes tipo 2. Também podem ocorrer inadaptação psicossocial e aumento do colesterol total. Problemas cardiovasculares, gastrintestinais e até mesmo o câncer também estão incluídos na longa lista de enfermidades que o excesso de peso pode causar.

Atualmente, as pessoas priorizam os horários para qualquer coisa relativa ao trabalho, estudos, e se esquecem de organizar seu dia-a-dia para as cinco ou seis refeições que são necessárias diariamente, além de atividades físicas que se recomenda no mínimo três vezes por semana

Diante da pressa das pessoas, surgiram os fast-foods que proporcionam um excesso de calorias sem suprir as necessidades de proteínas e vitaminas do organismo.

Não Existe Milagre

Muitas vezes a palavra dieta tem uma conotação negativa na vida das pessoas. Ela normalmente está associada a sentimentos de fome e de privação, e talvez seja por isso, que a maioria das pessoas que entram num processo de emagrecimento ganham em pouco tempo todo o peso que perderam. A maioria delas não funciona porque prometem muito, mas, na verdade, podem resolver pouco.

São as chamadas dietas milagrosas que, normalmente, aparecem publicadas em livros e revistas e não levam em consideração as características pessoais de cada um. Elas parecem resolver o problema porque realmente fazem a pessoa emagrecer reduzindo os carboidratos e as calorias totais ingeridas.

O problema é que isso provoca uma perda concentrada de líquido e proteína muscular, e não de gorduras. A dieta saudável promove a perda de somente um quilo de gordura, no máximo, por semana. Mais do que isso pode haver fadiga, nervosismo e flacidez muscular.

E o pior é que, ao voltar a comer como antes, recupera-se o quilo perdido e ainda se ganham outros. Isso acontece porque, perdendo a massa muscular, o metabolismo se reduz, ou seja, o indivíduo precisa de menos calorias para fazer o organismo funcionar.

O ideal é manter a massa muscular intacta. A dieta isenta de carboidrato e rica em proteína e gordura pode levar a problemas renais, articulares e cardiovasculares.

O Segredo do Sucesso

A dieta ideal deve levar em consideração sexo, idade, altura, atividades físicas, estudo fisiológico e patológico (possíveis enfermidades), disponibilidade de alimentos, lugares das refeições e, principalmente, os hábitos alimentares do indivíduo. Tais hábitos devem sofrer mudanças gradativas. O nutricionista é o profissional habilitado para indicar uma dieta personalizada.

Uma dieta balanceada não serve apenas para quem quer emagrecer, mas para quem quer manter o peso adequado, o fortalecimento muscular e o bom funcionamento dos órgãos, prevenindo doenças.

Para obter bons resultados em sua dieta é fundamental ajuda especializada e o mínimo de comprometimento. Neste caso, organização é fundamental. O primeiro passo é estabelecer horários certos para se alimentar, não deixando que o intervalo entre uma refeição e outra passe de quatro horas.

Também é muito importante reduzir o consumo de gordura, trocando a carne vermelha por frango sem pele ou peixe, desde que não sejam fritos. Troque os queijos em geral por Cottage ou requeijão light (em quantidades moderadas), não use frituras e prefira alimentos derivados do leite desnatados.

Coma no mínimo um tipo de verdura de folha e dois tipos de legumes por dia. Prefira os pães integrais, evite biscoitos bolos e pães de queijo. Devem-se consumir, no mínimo, quatro frutas ao longo do dia. O leite desnatado ou iogurte devem ser ingeridos duas vezes por dia. Ponha no prato menos feijão do que arroz. É fundamental ter carboidratos em todas as refeições, pois sua disposição física e mental depende deles. A quantidade é que deve ser calculada. Outro segredo é tomar bastante água o dia todo, aproximadamente 2 litros por dia, que ajuda na saciedade e mantém a pessoa hidratada.

Copyright © 2012 Bibliomed, Inc.              Publicado em 17 de março de 2011             Revisado em 17 maio de 2012



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: