Publicidade

Artigos de saúde

O que são os raios ultravioleta e o que causam para a saúde

Neste Artigo:

- Introdução
- O Perigo do bronzeamento artificial
- A questão ecológica
- A camada de ozônio
- Camada de ozônio x Raios ultra-violeta
- Veja outros artigos relacionados ao tema


"O que existe entre o céu e a terra que pode afetar tanto a nossa vida? Que relação há entre a nossa pele, a nossa saúde e os raios que vêm do alto, durante o dia? Por que, a cada árvore que cai, um pouco do nosso ar puro nos é furtado? É preciso estabelecer ligações de tudo com tudo, como se nossa vida fosse - e realmente é - uma imensa trama, uma imensa teia, onde a harmonia de um minúsculo inseto em frente à nossa casa, quebrada pela poluição ou pelo desmatamento, ou o esguichar de um simples aerossol na rua defronte, isso tudo pode ter efeitos acima daquilo que conseguimos supor, em países tão distantes que talvez nunca venhamos a visitar. Viajando no tempo e chegando até os dias de hoje, as lições dessa teia e os cuidados que devemos tomar para assegurarmos bem-estar e saúde".

Introdução

A radiação ultravioleta, conhecida como UV, faz parte da luz solar que atinge o nosso planeta e é essencial para a preservação do calor e a existência da vida. No entanto, em função dos buracos na camada de ozônio, provocados pela nossa civilização, estamos expostos a esta radiação sem qualquer proteção. Sem a camada de ozônio, os raios UV podem causar queimaduras, fotoalergias, envelhecimento cutâneo e até o câncer de pele.
De acordo com o Dr. Roberto Barbosa Lima, Médico - Dermatologista, a radiação Ultravioleta (UV) ao atingir nossa pele penetra profundamente e desencadeia reações imediatas, como as queimaduras solares, as fotoalergias (alergias desencadeadas pela luz solar) e o bronzeamento. "Provoca também reações tardias, devido ao efeito acumulativo da radiação durante a vida, causando o envelhecimento cutâneo e as alterações celulares que, através de mutações genéticas, predispõem ao câncer da pele", alerta o médico. Para entender um pouco melhor este processo, vamos começar do início: o que são os raios ultravioletas?

Segundo o Dr. Roberto, é importante compreender, em primeiro lugar, que a radiação UV que atinge a Terra se divide em radiação UVA e UVB, embora haja também os raios UVC, que não chegam até o nosso planeta. A radiação UVA, explica o especialista, é a maior parte do espectro ultravioleta e possui intensidade constante durante todo o ano, atingindo a pele praticamente da mesma forma durante o inverno ou o verão. Sua intensidade também não varia muito ao longo do dia, sendo pouco maior entre 10 e 16 horas que nos outros horários. "Os raios UVA penetram profundamente na pele, sendo os principais responsáveis pelo fotoenvelhecimento. Tem também importante participação nas fotoalergias e também predispõe a pele ao surgimento do câncer". É interessante saber que o UVA também está presente nas câmaras de bronzeamento artificial, em doses mais altas do que na radiação proveniente do sol.

A Radiação UVB já tem uma incidência bem maior durante o verão, especialmente entre 10 e 16 horas. De acordo com o dermatologista, os raios UVB penetram superficialmente na pele e são os causadores das queimaduras solares, "que são as principais responsáveis pelas alterações celulares que predispõem ao câncer de pele", explica. O médico alerta para o fato de que, sendo apenas os raios UVB que causam as queimaduras solares, o fato da pessoa não ter ficado vermelha não significa que não tenha sido atingida danosamente pela radiação UVA. "Aquele sol de inverno que pareceu não causar problemas porque você não se queimou nada, na verdade também está prejudicando sua pele favorecendo, principalmente, o seu envelhecimento, da mesma forma que as câmaras de bronzeamento artificial", alerta o especialista.

O perigo do bronzeamento aArtificial

Conforme o Dr. Roberto, "a quantidade de UVA emitida por uma câmara de bronzeamento pode chegar a ser 10 vezes maior que a da luz solar. Pode-se imaginar o dano causado à pele por este tipo de tratamento". Este dano, segundo o especialista, só vai aparecer com o passar dos anos. "O uso destas câmaras para bronzeamento deve ser evitado apesar das alegações de que não fazem mal à pele. Elas provocam o envelhecimento precoce e predispõem ao surgimento do câncer da pele", enfatiza o médico.

A questão ecológica

Um aspecto importante a ser ressaltado, após esta introdução dos males que os raios ultravioleta, sejam UVA ou UVB, podem causar à nossa pele, é que eles poderiam estar sendo filtrados pela camada de ozônio, que vem sendo paulatinamente destruída pela nossa civilização.

A camada de ozônio

Mais gente na Terra, mais criaturas a serem alimentadas, mais alimentos a serem produzidos para este consumo, mais mecanização e é aí que entram os resíduos, os agrotóxicos, os lixos não biodegradáveis e todos os demais elementos que vão contribuir para poluir a atmosfera. Soma-se a isso o desmatamento. A temível floresta vem abaixo, mas em seguida, junto com os outros elementos naturais agredidos, dá sua resposta: a seca, a fome, a poluição, as doenças.

A camada de ozônio contribui para a criação do efeito estufa, isto é, uma condição que propicia à Terra ter calor suficiente para garantir a continuidade da vida humana.

De acordo com estudiosos do assunto, em condições normais, o efeito estufa é benéfico, pois, sem ele, nós morreríamos de frio a uma temperatura abaixo de 18ºC. O ar ficaria muito mais frio, pois o efeito estufa aumenta o calor. Acontece que, com toda a movimentação humana em torno da rotina diária, sem preocupação com nosso próprio instinto predatório, produzindo e consumindo energia, o efeito estufa é intensificado. Com isso, o calor e a seca vão se estendendo pelo planeta, as camadas de gelo se transformam em água e aumentam os volumes dos mares, que avançam sobre as superfícies de terra. Acontecem mudanças bruscas e mais violentas de temperatura. Para isso contribui um simples aerossol, por exemplo, além de outros gases que vão se acumulando na atmosfera. Ou um inofensivo produto utilizado na fabricação de peças de isopor. Chega a um ponto em que essa camada se rompe, formando buracos. Alguns já foram detectados nas camadas polares e sua extensão tende sempre a aumentar.

Enquanto isso, vamos continuando a produzir, consumir e desperdiçar energia, alheios aos sinais que a Natureza nos envia. Até o momento em que conseguimos estabelecer uma ligação entre nós e os céus, voltando ao ponto de partida, isto é, ao ponto onde justamente estavam nossos ancestrais, e desta vez compartilhamos com eles o mesmo temor: quem comanda nossa saúde - o que nossa saúde tem a ver com as interferências do céu e da terra?

Camada de ozônio x Raios ultravioleta

Segundo a Associação Brasileira de Dermatologia, ABD, a camada de ozônio estratosférico, que varia de um dia e de um lugar para o outro, protege a terra dos raios ultravioletas. "É certo que a diminuição do ozônio atmosférico pode ter como resultado o aumento da radiação ultravioleta na superfície da terra", explicam os dermatologistas.

Entre o buraco na camada de ozônio e os buracos que podem ocorrer na pele humana há essa força em comum, que pode destruir. Por essa passagem começam a penetrar os raios ultravioleta, que são altamente perigosos ao homem. A exposição ao sol - o deus sol dos incas e dos astecas, por exemplo - pode causar danos que vão desde a pele até modificações nos nossos genes, segundo o GMB - Grupo Brasileiro de Melanoma.

Esses danos são muitas vezes chamados de câncer. O câncer de pele é, pois, resultado direto de duas ações: por um lado, a ação dos raios UVA e, por outro lado, a nossa concordância em ficarmos expostos a eles.

Através de aparelhos sofisticados, que o Pitecantropo de milênios atrás não chegou a supor que existiriam, conseguimos identificar os raios ultravioleta e os classificamos em três, desde o mais inofensivo (o raio UVC) até o intermediário (UVB) e o temido UVA.

Na busca do bronzeamento, expomos a pele ao sol e ficamos inteiramente à mercê dos raios UVA, que podem apenas ser minimizados por algumas regras simples, tais como evitar contato direto com o sol das 10 às 15 horas, diminuir seus efeitos usando protetores solares e nos abrigando sob tendas ou guarda-sóis.

Os raios ultravioleta são filtrados pela camada de ozônio, porém não o bastante para que possamos abrir mão de medidas protetoras e preventivas. Além disso, o GMB também alerta para as radiações solares artificiais que também podem ter os mesmos efeitos nocivos sobre a nossa pele, em consonância com o que diz o Dr. Roberto Barbosa Lima.

Além dos protetores solares, de efeito menos intenso, existem os bloqueadores solares, cujo efeito é mais acentuado. Estes são recomendados pelos dermatologistas para a proteção da pele e, se usados de maneira adequada, podem garantir horas de lazer sem danos futuros à saúde. A Sociedade Brasileira de Dermatologia, no entanto, adverte que "usar filtro ou bloqueador solar não significa permissão para longo tempo de exposição solar, mas apenas para limitar os riscos da exposição".

Copyright © 2004 Bibliomed, Inc.                                                            26 de Janeiro de 2004


Artigos relacionados com esse tema:

Câncer de Pele: Um Problema Internacional

Índice Ultravioleta: Uma Iniciativa da Sociedade Brasileira de Dermatologia para a Prevenção do Câncer de Pele



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: