Publicidade

Notícias de saúde

Doença de Chagas afeta um em cada quatro bebês argentinos

14 de agosto de 2018 (Bibliomed). A doença de Chagas é a principal doença endêmica na Argentina. Existem 1,6 milhões de pessoas infectadas, das quais 250.000 têm menos de 14 anos. E, ao contrário do que se pode acreditar, não é mais uma doença exclusivamente rural ou distante. Os fluxos migratórios se aumentaram a ocorrência da doença de Chagas na área urbana (a maioria das pessoas infectadas vivem em cidades) e infecção congênita é talvez um dos maiores desafios, pois 40% dos novos casos são devidos a transmissão mãe-filho, e esta taxa está crescendo, alertou a Sociedade Argentina de Pediatria. A cada ano, cerca de 1.300 crianças nascem com a doença no país, mas somente uma em cada três infectadas é detectada.

O mais grave, talvez, é que a doença de Chagas é quase 100% curável se for tratada em seus estágios iniciais com os novos medicamentos disponíveis. A eficácia do tratamento é muito alta nos primeiros anos, mas diminui com a idade. Daí a importância de primeiro detectá-los e depois seguir pelo menos até o ano da vida.

Segundo dados do Boletim Integrado do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, em 2015 foram confirmados 137 casos de doença de Chagas congênita e, em 2016, 86 casos. Um recente relatório do Escritório Geral de Auditoria advertiu, referindo-se a estes dados: "Os número total de neonatos chagásicos anualmente é estimado em 1.300 casos, de modo que aqueles diagnosticados, em 2015 e 2016 representam 10,5% e 6,6 %, respectivamente, da estimativa. Isso significa que a maioria desses recém-nascidos não foi diagnosticada no estágio de maior efetividade do tratamento. "

"Historicamente, a principal rota de transmissão é através do barbeiro, o segundo é a rota vertical. Neste último caso, o contágio não está ligada ao meio ambiente, mas as mulheres em idade fértil e chagásicas, estão dando à luz a crianças infectadas ", disse Marcelo Abril, diretor-executivo da Fundação Mundo Saudável.

Na Argentina, o rastreamento da doença de Chagas em mulheres grávidas é obrigatório. No entanto, ao colocar a lupa nos dados oficiais disponíveis na Argentina, as falhas são óbvias. De acordo com o anuário de 2016 (último disponível) do Departamento de Estatísticas e Informações de Saúde, 728.035 crianças nasceram naquele ano. Todas as mães dessas crianças deveriam ter sido controladas para a doença de Chagas. Agora, olhando para o Boletim Vigilância Integrada No. 411, que publica controlos de doença grávidas relatados entre 2014 e 2017 indica que 285.005 controles de grávidas foram realizados em 2016. Embora possa haver subnotificação de controles para gestantes, o número chega a apenas 40% dos nascimentos. Estima-se que um bebê de mãe chagásica tenha entre 2% e 8% de chance de contrair a infecção durante a gravidez e o parto.

Um relatório recente da Organização Mundial da Saúde, juntamente com a Organização Panamericana de Saúde denominado “Doença de Chagas nas Américas: uma análise da situação da saúde pública atual e sua visão para o futuro”, indicou que o a transmissão de mãe para filho é hoje a principal rota de infecção nos países que controlam a transmissão vetorial pelo barbeiro, melhorando seus padrões de moradia e aplicando bancos de sangue de rastreamento universal, uma situação que inclui a Argentina. O trabalho também indica que a migração de pessoas de áreas endêmicas para áreas urbanas também contribui para esse novo tipo de transmissão vertical.

Fonte: Reporte Epidemiológico de Cordoba, # 2073.

Copyright © 2018 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: