Publicidade

Notícias de saúde

Lentidão na marcha na terceira idade pode ser indicativa da doença de Alzheimer

03 de fevereiro de 2016 (Bibliomed). Os idosos que caminham mais lentamente podem ter maiores quantidades beta-amilóide (Aβ) em seus cérebros, de acordo com pesquisa publicada on-line em 02 de dezembro de 2015 na revista Neurology.

A equipe de pesquisa analisou 128 pessoas (idade média de 76), que não tinham um diagnóstico formal de demência, mas foram consideradas de alto risco. As varreduras do cérebro mediram os níveis de placas de Aβ em seus cérebros, com 48% deles registrando um nível muitas vezes associada à demência. Os participantes foram submetidos a testes cognitivos e habilidades de memória, com 46% classificados como tendo transtorno cognitivo leve. A velocidade da marcha foi medida usando um teste padrão cronometrando quanto tempo levou para os participantes caminharem quatro metros em seu ritmo de costume, e todos, exceto dois indivíduos, estavam dentro da faixa normal.

Os pesquisadores descobriram uma associação entre a baixa velocidade da marcha e de Aβ existente no putâmen posterior e anterior, córtex occipital, precuneus, e cingulado anterior. A carga de Aβ foi responsável ​​por até 9% da diferença na velocidade da marcha entre os caminhantes mais rápidos e mais lentos.

Estes resultados sugerem que os distúrbios leves da marcha, além de preocupações subjetivas de memória, podem ser sinal de doença de Alzheimer, mesmo em pessoas que são totalmente assintomáticas e que tenham um ritmo de caminhada dentro da normalidade.

Parâmetros físicos que não são convencionalmente observados na doença de Alzheimer, tais como a velocidade de marcha, podem ajudar a otimizar a identificação precoce de pacientes sob risco.

Fonte: Neurology 2016;86:1–8

Copyright © 2016 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: