Publicidade

Notícias de saúde

Fraturas da coluna vertebral podem levar a comprometimentos sérios

5 de julho de 2014 (Bibliomed). As fraturas vertebrais da coluna torácica e lombar são normalmente associadas a traumatismos graves e, dependendo de seu tipo, podem causar danos na medula espinhal, o que resulta em déficits neurais.

As principais causas destas fraturas são os acidentes automobilísticos, as quedas, os ferimentos por arma de fogo, os acidentes esportivos , os acidentes industriais, agrícolas e acidentes combinados. Uma alta porcentagem de fraturas lombossacras ocorrem em indivíduos com idade inferior a 30 anos. Quase 60% dos pacientes têm déficits incapacitantes graves.

Os sintomas de fraturas vertebrais complexas podem incluir dor ou o desenvolvimento de déficits neurais, tais como as seguintes, fraqueza, entorpecimento, formigamento e choque neurogênico. Neste último caso, ocorre queda da pressão arterial com batimentos cardíacos mais lentos (bradicardia), como resultado de alterações nos reflexos do sistema nervoso autônomo.

As fraturas dos processos espinhosos pode ocorrer como resultado de um trauma direto com a coluna posterior ou como um resultado de flexão e à força de rotação. Estas lesões geralmente não estão associadas com déficits neurológicos. A contração muscular violenta ou trauma direto podem causar fraturas dos processos transversos. Apesar de sua aparência relativamente inócua, essas fraturas podem eventualmente causar sangramento significativo no espaço retroperitoneal, resultando em anemia aguda ou paralisação dos movimentos intestinais.

Nas lesões mais sérias, pode ainda ocorrer o chamado Choque medular, ou seja, a perda temporária da atividade reflexa da coluna vertebral que ocorre abaixo de uma lesão, total ou quase total da medula espinhal; inicialmente resulta em hiporreflexia (diminuição dos reflexos) e paralisia flácida dos músculos.

Os pacientes com fraturas vertebrais ou pélvicas causadas por traumas severos requerem determinações da hemoglobina em série, como um indicador da estabilidade hemodinâmica. O exame de urina, para avaliar perda de sangue no sistemaurinário, pode ajudar a descartar uma lesão renal associada (consequente ao traumatismo da região lombar).

As radiografias simples da coluna são úteis na triagem de fraturas, mas fraturas lineares ou fraturas sem deslocamento podem ser difíceis de serem detectadas. A tomografia computadorizada pode facilmente detectar fraturas ósseas e ajudar com a avaliação da extensão de fraturas.

O exame de ressonância magnética é geralmente o estudo de escolha para a determinação da extensão do dano da medula espinhal; este exame é a ferramenta mais sensível para detecção de lesões de tecido neural e ósseo.

Fraturas menores ou aquelas com estabilidade coluna são tratadas sem cirurgia. O tratamento não-cirúrgico de fraturas da coluna vertebral instáveis ​​envolve o uso de um colete ortopédico espinhal ou cinta para evitar o movimento de rotação e flexão.

Deve ser dada atenção para a estabilização de pacientes com lesões na medula espinhal e paraplegia. Estes pacientes devem ser estabilizados suficientemente para que a sua parte superior do corpo e esqueleto axial sejam adequadamente suportados, o que permite a recuperação eficaz.

Os objetivos do tratamento cirúrgico, quando necessário, são a descompressão do canal medular e estabilização da coluna vertebral.

Fonte: Hsieh CT, Chen GJ, Wu CC, Su YH. Complete fracture-dislocation of the thoracolumbar spine without paraplegia. Am J Emerg Med. Jun 2008;26(5):633.e5-7

Copyright © 2014 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: