Publicidade

Notícias de saúde

Cigarros eletrônicos podem não ser tão inofensivos

19 de maio de 2014 (Bibliomed). Os E-cigarros podem não ser tão inofensivos quanto pareciam inicialmente. Uma nova pesquisa sugere que o vapor do e-cigarro produz partículas minúsculas que os usuários tragam e que podem causar ou agravar doenças respiratórias.

Segundo a pesquisa, as partículas são de tamanho comparável àquelas contidas na fumaça do cigarro convencional, e até 40 por cento delas podem alcançar a parte mais profunda dos pulmões quando inaladas. Isso significa que se as partículas forem prejudiciais, eles irão estar causando danos aos pulmões. Esses produtos químicos potencialmente poderiam causar ou agravar problemas respiratórios, como asma ou bronquite .

Na sua análise das emissões dos dois tipos de e-cigarros , a equipe de pesquisadores não encontrou quaisquer substâncias tóxicas no vapor produzido pelos dispositivos. Mas um novo estudo levanta a possibilidade de que os líquidos utilizados para produzir os vapores dos e-cigarros poderia conter substâncias cancerígenas ou ingredientes prejudiciais.

O estudo descobriu formaldeído, um conhecido agente cancerígeno, no vapor superaquecido produzido por dispositivos de e-cigarros de alta potência, conhecidos como sistemas de tanques , informou o jornal . Estes sistemas são dispositivos maiores do que os e-cigarros típicos , e são projetados para vaporizar nicotina líquida rapidamente.

Estes estudos fornecem ainda mais munição para a recente proposta da FDA para iniciar a regulação e-cigarros como produtos de tabaco.

Fonte: American Lung Association Statement on E-Cigarettes, 2014.

Copyright © 2014 Bibliomed, Inc.

Faça o seu comentário
Comentários


Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: