Category Archives: Sexologia

Homens e mulheres têm visões fisiologicamente diferentes do mundo

Sexologia

Um novo estudo aponta que homens e mulheres vêem o mundo de formas diferentes devido a questões fisiológicas. Os pesquisadores mostram que os olhos dos homens são mais sensíveis a pequenos detalhes e objetos em movimento e que as mulheres percebem mudanças de cores melhor.

“Assim como com outros sentidos, como com a audição e o olfato, existem outras diferenças sexuais marcantes entre homens e mulheres”, explica o pesquisador Israel Abramov, da City University of New York.

A literatura médica mostra que as mulheres possuem audição e olfato mais sensíveis do que os homens. “(Uma) revisão recente da literatura concluiu que na maioria das vezes as mulheres tinham melhor sensibilidade e discriminavam e categorizavam odores melhor do que homens”, afirma Abramov.

A pesquisa foi publicada no periódico Biology of Sex Differences.

 

Published by:

Consumo de vitaminas melhora qualidade de esperma em homens mais velhos

Saúde do homem Sexologia

Homens mais velhos podem melhorar a qualidade do seu esperma através de uma alimentação rica em antioxidantes e vitaminas específicas. Essa atitude pode reduzir os riscos de que eles transmitam mutações genéticas para seus filhos.

De acordo com uma pesquisa feita nos Estados Unidos, homens com mais de 44 anos que tinham níveis altos de vitamina C em suas dietas tinham 20% a menos de danosem seus DNA’s do que homens que consumiam a vitamina em menores quantidades. A vitamina E, zinco, folato e antioxidantes demonstraram os mesmos efeitos.

“Nós descobrirmos que homens com 44 anos ou mais que consumiam pelo menos a quantidade diária recomendada de certos micronutrientes tinham espermas com quantidades semelhantes de danos no DNA do que o esperma de homens mais jovens”, explica o pesquisador Andy Wyrobek.

A pesquisa foi publicada no periódico Fertility and Sterility.

Published by:

Nozes podem ajudar a melhorar a qualidade do esperma

Comportamento Saúde do homem Sexologia

Homens que comem 75 gramas de nozes por dia podem estar garantindo sua fertilidade. Isso porque, segundo pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, a oleaginosa tem a capacidade de aumentar a vitalidade, a mobilidade e a morfologia do esperma.

O estudo envolveu 117 homens saudáveis com idade entre 21 e 35 anos que foram divididos em dois grupos: um que ingeriu 75 gramas de nozes por dia, e outro que evitou consumir qualquer quantidade da fruta. Depois de 12 semanas, o grupo que ingeriu nozes apresentou níveis sensivelmente mais elevados de ômega-3 e ômega-6, assim como maior contagem de espermatozoides. Tanto a morfologia quanto a mobilidade dos espermatozoides também foram superiores nesse grupo quando comparado ao grupo que não consumiu a oleaginosa.

Agora, os pesquisadores vão realizar testes com homens que apresentam problemas de fertilidade para comprovar a eficácia das nozes no tratamento da infertilidade masculina.

Published by:

Jovens acreditam que sexting é normal entre namorados

Comportamento Sexologia

A prática de enviar imagens eróticas ou sensuais pela internet e celulares, conhecida como sexting, é considerada pelos jovens como algo normal e saudável no namoro.

Pesquisadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, analisaram o comportamento de 3.447 homens e mulheres com idade entre 18 e 24 anos para detectar a prática de sexting. Os resultados mostraram que quase metade dos participantes era adepta ao sexting, mas, apesar do envio de imagens eróticas por celulares seja bastante comum, não está associada a comportamentos sexuais de risco ou a problemas psicológicos.

Além disso, o estudo mostrou que o sexting é recíproco, ou seja, a pessoa que envia uma foto geralmente recebe outra, o que torna essa prática bastante comum entre os parceiros românticos. Além disso, a maioria das historias negativas sobre sexting ocorre com pré-adolescentes e adolescentes, onde o maior problema diz respeito a questões legais, além da imaturidade emocional.

Published by:

Todos são capazes de alcançar o orgasmo

Comportamento Sexologia

Sexo é bom, todo mundo gosta, e existe até uma data especial para o orgasmo: 31 de julho. Isso aí, hoje é o Dia Mundial do Orgasmo, mas, você sabe o que é realmente um orgasmo?

Também conhecido como clímax, o orgasmo é o ponto máximo do prazer durante a relação sexual. Contudo, nem sempre esse ponto é alcançado, e algumas pessoas, especialmente mulheres, podem sofrer com disfunções sexuais que impedem o auge do prazer. Segundo especialistas, de 19% a 50% das mulheres sofrem com algum problema durante a relação sexual.

A boa notícia é que, segundo sexólogos, toda pessoa é capaz de alcançar o prazer no sexo. A masturbação é uma ótima técnica para tal, pois, conhecer o próprio corpo e o que lhe dá prazer é fundamental para se ter um bom desempenho sexual. Caprichar nas preliminares também é fundamental para uma boa noite de sexo, assim como a autoestima elevada e o companheirismo com o parceiro.

E como vale aquela máxima, é fazendo que se aprende. Então, quando mais se pratica sexo, mais fácil fica de se alcançar o orgasmo. Mas nunca se esqueça, faça sexo seguro: use camisinha sempre.

Published by:

Quais são as fantasias sexuais de homens e mulheres?

Comportamento Sexologia

Tanto homens quanto mulheres têm fantasias sexuais com o parceiro, apesar de os homens as terem com maior frequência. Agora, pesquisadores da Universidade de Granada, na Espanha, pesquisaram as diferenças entre as fantasias masculinas e femininas e descobriram que essas não são significativas.

Entrevistando 2.250 pessoas (49,6% homens e 50,4% mulheres) com idades entre 18 e 73 anos, que mantinham um relacionamento heterossexual há pelo menos seis meses, os pesquisadores descobriram que quase 100% dos homens e mulheres experimentaram uma fantasia sexual agradável pelo menos uma vez na vida, e 80% experimentaram pelo menos uma fantasia negativa.

Homens fantasiam mais frequentemente sobre atividades sexuais exploratórias, como sexo em grupo, por exemplo. As mulheres têm fantasias românticas agradáveis com maior frequência que os homens.

As fantasias sexuais consideradas desagradáveis são aquelas associadas com a submissão sexual: para as mulheres, “ser forçada a ter relações sexuais”, e para os homens, aquelas associadas ao sexo homossexual.

Published by:

No sexo, quantidade não quer dizer qualidade

Comportamento Sexologia

Quanto mais, melhor. Será que essa máxima também vale para o sexo? Segundo pesquisadores norte-americanos, não. Analisando a vida sexual de adultos nos Estados Unidos, os cientistas descobriram que eles estão tendo mais relações sexuais (151 vezes por ano contra 120 vezes no ano anterior). Contudo, a satisfação sexual tem diminuído.

A pesquisa mostrou que 67% dos norte-americanos afirmaram estar satisfeitos com sua vida sexual em 2012, contra 76% em 2011.  Quase 81% disseram estar procurando maneiras de tornar sua vida sexual mais excitante, 32% que tiveram sexo ao ar livre, um terço que já fez sexo na praia ou na casa de um amigo, enquanto 25% que tiveram relações sexuais na casa de seus sogros.

Cinqüenta e seis por cento se consideraram sexualmente aventureiros, 23% disseram que se envolveram em sexting (divulgação de conteúdo erótico via celular ou computador), 16% enviaram uma foto ou vídeo com conteúdo sexual e 22% participaram sessões de sexo virtual.

Published by:

Vacinação contra HPV também protege pessoas não imunizadas

Saúde da mulher Saúde do homem Sexologia

Pesquisa do Cincinnati Children’s Hospital Medical Center, nos Estados Unidos, mostrou que a vacina contra o HPV (papilomavírus humano) reduziu a infecção em jovens de uma forma geral, incluindo os não imunizados.

O estudo, publicado na revista Pediatrics, envolveu 409 mulheres jovens, das quais mais da metade tinham recebido pelo menos uma dose da vacina. Os pesquisadores compararam as taxas de prevalência de HPV antes e após a vacinação.

Os resultados mostraram que a prevalência do HPV nas mulheres em geral diminuiu 58%, baixando de 31,7% para 13,4%. Entre aquelas que receberam a vacina, a diminuição foi de 69% contra 49% entre as não imunizadas.

O HPV é transmitido, principalmente, durante a relação sexual desprotegida e pode causar lesões na vagina, colo do útero, pênis e ânus além de câncer de colo do útero.

Published by:

30% dos adolescentes enviam fotos sem roupa

Comportamento Sexologia

Pesquisa da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, realizada com quase 1.000 alunos de sete escolas secundárias do estado, mostrou que 28% dos adolescentes enviam fotos de si mesmos sem roupa por meio eletrônico.

De acordo com a pesquisa, 57% recebem pedidos para enviar uma foto sem roupa e 31% afirmou ter solicitado a outro que lhe enviasse uma foto despido. As principais formas de envio dessas fotos são por mensagem de celular ou através da internet.

Os dados dessa pesquisa são alarmantes, porque pesquisas anteriores apontavam que apenas 1% dos participantes dos grupos pesquisados adotavam tais práticas. Quase todas as meninas se mostraram incomodadas quando solicitadas a enviar uma foto sem roupa, o que aconteceu com metade dos meninos.

Além disso, as adolescentes que costumam enviar suas fotos nuas adotam mais comportamentos sexuais de risco, o que não foi observado entre os meninos. O estudo foi publicado nos Arquivos de Medicina Pediátrica e Adolescente.

Published by:

Por que nos reproduzimos através do sexo?

Sexologia

O sexo, do ponto de vista biológico, não é a forma mais eficiente de reprodução. Mas se a reprodução assexuada (como a das amebas, que simplesmente se dividem em duas) é mais prática, por que tantas espécies fazem sexo?

A resposta pode estar em flores silvestres. De acordo com pesquisadores da Michigan Technological University (nos Estados Unidos) que estudaram essas plantas, a relação sexual pode fortalecer a habilidade que um organismo tem de se adaptar, levando a mais resistência a doenças.

“Nós descobrimos que plantas sexuais têm maiores habilidades de evoluírem de forma positiva e adaptativa. Isso está de acordo com muitas das teorias da evolução do sexo”, explica a pesquisadora Erika Hersch-Green.

A pesquisa foi publicada no periódico Journal of Evolutionary Biology.

Published by: