Publicidade

Artigos de saúde

Intolerância à Lactose

© Equipe Editorial Bibliomed

Neste Artigo:

- Introdução
- Manifestações Clínicas
- Exames complementares
- Abordagem terapêutica
- Conclusão
- Referências Bibliográficas

A Intolerância à Lactose (IL) é um problema bastante comum, porém de incidência variável: menos de 5% dos indivíduos do norte da Europa sofrem com o problema, ao passo que mais de 90% dos africanos e asiáticos são afetados. Apesar da produção da enzima Lactase começar a diminuir por volta dos 2 anos de idade, a IL é rara em pacientes com menos de 6 anos.

Introdução

A Lactose, um dissacarídeo característico do leite dos mamíferos, é utilizado pelo organismo para intensificar a absorção de vários sais minerais, incluindo cálcio, magnésio e zinco. Ela também promove o crescimento de bactérias intestinais e é uma das principais fontes de galactose, um nutriente essencial para a formação dos galactolipídios cerebrais.

A deficiência congênita de Lactase (enzima responsável pelo metabolismo da Lactose) é extremamente rara. Contudo, o desenvolvimento de deficiência de lactase durante a infância ou a idade adulta é bastante comum e pode ser herdada como um traço autossômico recessivo.

Alguns pacientes podem apresentar uma deficiência transitória de lactase, devido a alterações na mucosa intestinal causada por processos infecciosos, alérgicos ou inflamatórios.

Manifestações Clínicas

Os sintomas gastrintestiais são a manifestação predominante da intolerância à Lactose. Flatulência, cólicas abdominais e meteorismo surgem poucas horas após a ingestão de leite e derivados. Os sintomas são mais intensos quando a ingestão de laticínios é acompanhada por alimentos ricos em gorduras ou carbohidratos. O paciente também pode relatar fezes aquosas associadas a urgência evacuatória.

O exame clínico pode revelar baixo desenvolvimento pôndero-estatural em crianças, mas a desnutrição é rara. A palpação do abdome não desencadeia a dor (sinal de Blumberg negativo).

Exames complementares

A Intolerância à Lactose pode ser diagnosticada através da resolução da sintomatologia duas semanas após a introdução de uma dieta livre de lactose, ou recorrência de sintomatologia após a reintrodução de uma dieta contendo lactose.

O Teste de H2 no ar expirado (> 20 ppm de aumento do hidrogênio no ar expirado, medido 60 minutos após uma dose de lactose de 2 g/kg ou 25 g) é mais confiável que a historia clinica, mas deve ser interpretado por um gastroenterologista.

A Diminuição do pH das fezes é de utilidade, mas não é específico para a má absorção da lactose ou de qualquer outro carboidrato. Testes fecais de redução de substancias não são tão sensíveis quanto à medida do pH das fezes.

Abordagem terapêutica

O tratamento da intolerância à lactose inclui o uso de substancias livres de lactose, e leites com baixo teor de lactose; substitutos do leite a base de arroz, soja ou proteínas; lactose fornecida em pequenas quantidades e junto com outros alimentos; leite achocolatado; yogurte natural; queijo maturado; cápsulas orais de substitutos da lactase; e utilização de derivados do leite.

Diminuir muito a quantidade de leite na dieta pode diminuir a quantidade de cálcio do organismo, enquanto que as dietas que não contêm leite podem diminuir a absorção do cálcio. Contudo, em lactentes, O leite materno deve ser continuado.

Fórmulas com baixo teor de lactose, ou ausentes de lactose, não são úteis nos paises desenvolvidos, no tratamento de casos de intolerância à lactose, cólicas, durante a fase de crescimento da criança, em comparação com formulas com conteúdo normal de lactose, mas podem ser benéficas em crianças muito desnutridas com quadro claro de intolerância à lactose.

Conclusão

Apesar da Intolerância à Lactose ser bastante comum, não é considerada um problema grave de saúde. O diagnóstico é simples e pouco invasivo. O tratamento deve ser direcionado para um gerenciamento no longo prazo. Existem vários produtos capazes de auxiliar a digestão da lactose, diminuindo a irritação gastrintestinal e permitindo uma escolha mais ampla dos alimentos. É importante que o paciente aumente a ingestão de outras fontes de cálcio, além do leite, para manter sua saúde óssea e muscular.

Referências Bibliográficas

1. Roberson CM. Lactose intolerance. Ala Nurse. 2004 Dec-2005 Feb;31(4):23-4; quiz 24.

2. Buning C, Schmidt H, Lochs H, Ockenga J. Genetic components of lactose intolerance and community frequency. J Bone Miner Res. 2004 Oct;19(10):1746; author reply 1747.

3. Tursi A. Factors influencing lactose intolerance. Eur J Clin Invest. 2004 Apr;34(4):314-5; author reply 316.

4. Paige DM, Witter FR, Bronner YL, Kessler LA, Perman JA, Paige TR. Lactose digestion in pregnant African-Americans. Public Health Nutr. 2003 Dec;6(8):801-7.

5. Savaiano D. Lactose intolerance: a self-fulfilling prophecy leading to osteoporosis? Nutr Rev. 2003 Jun;61(6 Pt 1):221-3.

6. Barnard ND. The milk debate goes on and on and on! Pediatrics. 2003 Aug;112(2):448.

7. Campbell AK, Waud JP, Matthews SB. The molecular basis of lactose intolerance. Sci Prog. 2005;88(Pt 3):157-202.

8. Ortolani C, Pastorello EA. Food allergies and food intolerances. Best Pract Res Clin Gastroenterol. 2006;20(3):467-83.

9. Taylor C. Lactose intolerance in infants. Nurs Times. 2006 Apr 25-May 1;102(17):43-4.

10. Doron S, Gorbach SL. Probiotics: their role in the treatment and prevention of disease. Expert Rev Anti Infect Ther. 2006 Apr;4(2):261-75.

11. Savaiano DA, Boushey CJ, McCabe GP. Lactose intolerance symptoms assessed by meta-analysis: a grain of truth that leads to exaggeration. J Nutr. 2006 Apr;136(4):1107-13.

12. Montalto M, Curigliano V, Santoro L, Vastola M, Cammarota G, Manna R, Gasbarrini A, Gasbarrini G. Management and treatment of lactose malabsorption. World J Gastroenterol. 2006 Jan 14;12(2):187-91.

13. Ewing WM, Allen PJ. The diagnosis and management of cow milk protein intolerance in the primary care setting. Pediatr Nurs. 2005 Nov-Dec;31(6):486-93.

14. Crittenden RG, Bennett LE. Cow's milk allergy: a complex disorder. J Am Coll Nutr. 2005 Dec;24(6 Suppl):582S-91S.

15. Richter WO. Food allergies are often an unrecognized cause of clinical complaints. MMW Fortschr Med. 2005 Nov 3;147(44):35-8.

16. Miggiano GA, Gagliardi L. Diet, nutrition and bone health. Clin Ter. 2005 Jan-Apr;156(1-2):47-56.

17. Levri KM, Ketvertis K, Deramo M, Merenstein JH, D'Amico F. Do probiotics reduce adult lactose intolerance? A systematic review. J Fam Pract. 2005 Jul;54(7):613-20.

18. Matthews SB, Waud JP, Roberts AG, Campbell AK. Systemic lactose intolerance: a new perspective on an old problem. Postgrad Med J. 2005 Mar;81(953):167-73.

Copyright © 2010 Bibliomed, Inc.                                 20 de Setembro de 2010



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: