Publicidade

Artigos de saúde

O que é a Rubéola e como se dá sua transmissão?

© Equipe Editorial Bibliomed

- Introdução
- Como a Rubéola pode ser prevenida?
- Rubéola Congênita
- Diagnóstico e Tratamento

Introdução

A rubéola é uma doença causada por um vírus, freqüente nas crianças, e caracterizada por um rash (exantema) na pele, aumento dos gânglios linfáticos e febre. Geralmente tem evolução benigna. Entretanto, pode produzir malformações congênitas graves no feto quando afeta mulheres gestantes. O agente etiológico causador da rubéola é um vírus pertencente ao gênero Rubivírus. A transmissão da rubéola se dá pelo contato com secreções nasais e bucais de pessoas infectadas, como a saliva. Além disso, a rubéola pode ser transmitida de mãe para filho durante a gravidez através da placenta. De 14 a 21 dias, após contato com o vírus, a pessoa poderá apresentar os sintomas.

Às vezes esses sintomas são muito leves e podem passar despercebidos: aproximadamente metade das pessoas com rubéola não percebem suas manifestações. Outras pessoas podem apresentar manchas avermelhadas na pele, que se iniciam na face, couro cabeludo e pescoço. Mais tarde, essas manchas se espalham pelo tronco e membros.

A importância da Rubéola em Epidemiologia se relaciona com a Síndrome da Rubéola
Congênita (SRC), quando acomete mulheres gestantes que não foram vacinadas contra o vírus, principalmente no primeiro trimestre da gestação.

As principais manifestações clínicas da Síndrome da Rubéola Congênita são: deficiência auditiva, doença cardíaca (cardiopatia) congênita, catarata, retinopatia (doença da retina, nos olhos) microcefalia (diminuição do tamanho do cérebro da criança), e atraso do desenvolvimento neuropsicomotor.

Como a Rubéola pode ser prevenida?

Devido aos problemas que a Rubéola pode causar, toda mulher deve procurar se vacinar, antes mesmo de pensar em engravidar. Além das mulheres, as crianças de 15 meses de idade devem ser vacinadas.

A vacina geralmente proporciona a imunidade por toda a vida, mas pode causar algumas complicações que desaparecem depois de algumas semanas. Podem aparecer alguns sintomas como febre baixa, lesões na pele ou dores nas articulações. Contudo, a vacina contra a rubéola é muito importante e não deve ser evitada.

No entanto, a vacina não deve ser tomada pelas mulheres que já estão grávidas. Isso, porque, ela pode provocar a doença no feto. Por isso, recomenda-se que a gravidez seja evitada por 3 meses após a vacinação. Além disso, a vacina está contra indicada em pessoas com alergia aos componentes da vacina, ou em pessoas com o sistema imune deficiente, como no caso de indivíduos com Aids.

A análise da situação epidemiológica e a estimativa da população não vacinada no Brasil, definiu a necessidade da realização de uma Campanha nacional de vacinação para homens e mulheres entre os 20 e 39 anos de idade, com o objetivo esgotar a população ainda suscetível e interromper a circulação do vírus da rubéola no país. Será utilizada a vacina dupla viral, que além de proteger contra a rubéola irá proteger também contra o sarampo, reforçando a estratégia de eliminação do sarampo o Brasil.

Com o objetivo de aumentar a cobertura dos adolescentes por vacinas, apenas os estados do Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte irão vacinar também os adolescentes entre 12 e 19 anos de idade utilizando a vacina tríplice viral. A campanha será realizada no período de 9 de agosto a 12 de setembro de 2008, sendo o “Dia D” no dia 30 de agosto.

Rubéola Congênita

A forma congênita da Rubéola decorre da infecção da mãe pelo vírus causador da doença, durante as primeiras semanas da gravidez. Quanto mais precoce for a infecção em relação à idade da gestação, mais grave será a doença.

A mãe adquire o vírus da maneira usual, ou seja, transmissão se dá pelo contato com secreções nasais e bucais das pessoas infectadas.
A infecção da mãe pode levar ao abortamento, morte fetal ou anomalias congênitas como diabetes, cardiopatia, catarata, glaucoma e surdez, entre outras.
A doença se manifesta, além da perda do feto, por uma variedade de sinais e sintomas que vão do aumento do volume do baço e do fígado, icterícia (coloração amarela dos olhos), manchas na pele, até anomalias congênitas como surdez, catarata, diabetes e glaucoma, que aparecem em distintos estágios do desenvolvimento da criança. A surdez é o sintoma mais precoce da Síndrome da Rubéola Congênita.
A mãe, quando infectada, transmite o vírus para o feto, que atravessa a placenta, causando a doença.

Diagnóstico e Tratamento

Em crianças, ocorre um aumento generalizado dos gânglios linfáticos (linfonodos), com predominância nas regiões posterior do pescoço, atrás das orelhas, e suboccipital. Surge o rash (exantema)  na pele, de intensidade variável, começando pela testa e face, espalhando-se de cima para baixo, para o tronco e extremidades. O rash da pele desaparece em cerca de 3 dias. Em indivíduos mais velhos pode haver febre, mal estar e dores de cabeça.

As lesões mais comuns no feto, nos casos de rubéola congênita, são: doença cardíaca congênita, catarata, coriorretinite, microcefalia (diminuição do tamanho do cérebro), retardo mental, surdez, hepato-esplenomegalia (aumento do fígado e do baço), púrpura trombocitopênica, retardo no crescimento intrauterino, pneumonia intersticial e miocardite (inflamação do músculo do coração).

Não existindo um sintoma que seja o mais característico, o diagnóstico diferencial com outras infecções similares somente é realizado, com segurança, através de exames laboratoriais.

Não existe tratamento específico para casos de rubéola sem complicações. Os pacientes se recuperam com repouso e tratamento sintomático e de apoio. Toda a ênfase deve ser colocada na PREVENÇÃO, através da vacinação.

Copyright © 2008 Bibliomed, Inc.    06 de agosto de 2008



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: