Publicidade

Artigos de saúde

Alergologista – qual o seu papel

© Equipe Editorial Bibliomed

Neste Artigo:

- Introdução
- O que é a doença alérgica?
- Quais os tipos de reações alérgicas?
- Qual o papel do alergologista?

Introdução

Se você apresentou um diagnóstico de asma ou outra doença alérgica, seu médico assistente poderá encaminhar você a uma consulta com um alergologista/imunologista. Nesse artigo, abordaremos as doenças alérgicas e o papel do especialista na abordagem adequada e tratamento dessas doenças.

O que é a doença alérgica?

Estima-se que aproximadamente 50 milhões de norte-americanos apresentem alguma forma de doença alérgica. As doenças alérgicas podem-se desenvolver em qualquer idade, e fatores hereditários exercem um papel chave no seu desenvolvimento. Se um indivíduo tem algum tipo de doença alérgica, seu filho terá um risco de 48% de desenvolver alergia, subindo para 70% caso os dois pais sejam alérgicos.

Os sintomas das doenças alérgicas são resultado de eventos que envolvem o sistema imunológico – o sistema de defesa de nosso organismo, contra substâncias maléficas. O organismo de um indivíduo com doença alérgica identifica algumas substâncias, chamadas de alérgenos, como perigosas. Esses alérgenos, que não oferecem risco algum para a grande maioria das pessoas, desencadeiam reações alérgicas a partir do sistema imunológico.

Quando alguém predisposto ao desenvolvimento de alergia entra em contato com um alérgeno ao qual ele é sensível, uma cadeia de reações se desenvolve. O principal responsável pelo desencadeamento desses eventos, em pacientes alérgicos, é um anticorpo denominado IgE. Esse tipo de anticorpo protege nosso organismo procurando e eliminando qualquer alérgeno que ofereça risco ao organismo. Na primeira vez que um alérgeno entra em contato com o organismo do indivíduo alérgico, os anticorpos IgE são produzidos em resposta a esse contato. Então, esses anticorpos viajam na corrente sanguínea, até encontrarem células especiais, denominadas mastócitos, ligam-se a elas e aguardam até o próximo contato entre o paciente e o alérgeno.

A partir do segundo contato, o anticorpo IgE "captura" os alérgenos, removendo-os da circulação sanguínea. A partir daí, os mastócitos começam a liberar várias substâncias, denominadas mediadores, entre os quais a histamina é um dos principais. São esses mediadores os responsáveis pelos sintomas clássicos de reações alérgicas – inchaços, espirros, chiera torácica, tosse, entre outros. Devido à complexidade das reações alérgicas, ainda não se compreende totalmente por que algumas substâncias desencadeiam reações alérgicas e outras não, nem por que a alergia afeta a algumas pessoas e a outras não.

Quais os tipos de reações alérgicas?

Os tipos mais comuns de reações alérgicas são:

- Rinite Alérgica: estima-se que, nos EUA, aproximadamente 35 milhões de pessoas sofram desse tipo de doença alérgica. Ela se caracteriza por sintomas como espirros, congestão nasal, coceira e coriza, além de lacrimejamento, vermelhidão e coceira nos olhos.

- Asma: doença pulmonar crônica, caracterizada por tosse, opressão torácica, dificuldade para respirar e chiera torácica. Afeta mais de 17 milhões de norte-americanos, com tendência a aumento a cada ano. Os sintomas de asma podem ser desencadeados por alérgenos ou outros estímulos não-alérgicos, como infecções do sistema respiratório, ar frio e fumaça do tabaco.

- Sinusite e Otite média: são infecções comuns, frequentemente desencadeadas por rinite alérgica. A sinusite é a inflamação dos seios paranasais, os quais são cavidades vazias preenchidas por ar, nos ossos da face, encontradas ao lado do nariz, na testa e entre os olhos. A sinusite afeta boa parte da população. A otite média – ou infecção comum dos ouvidos – é uma das infecções infantis que mais comumente leva à necessidade de atendimento médico.

- Dermatite Atópica: também chamada de eczema, caracteriza-se por sintomas relacionados à pele, como coceira, vermelhidão, descamação da pele. Essas lesões são comumente encontradas em crianças pequenas, mas podem ocorrer mais tardiamente, em indivíduos com história pessoal ou familiar de atopia, ou seja, asma ou rinite alérgica.

- Urticária: são lesões de pele caracterizadas por coceira, protuberâncias avermelhadas que surgem na superfície da pele. Podem ocorrer em grupos, apresentando tamanho variável. Além disso, pode ser crônica (aparecendo e desaparecendo sem motivo) ou aguda. Os desencadeantes da urticária costumam ser infecção e ingestão de alimentos ou medicamentos.

- Anafilaxia: é uma reação alérgica sistêmica grave, geralmente causada por substâncias injetadas ou ingeridas, incluindo alimentos e medicações, picadas de insetos e látex. Os sintomas podem incluir sensação de calor, rubor, formigamento na boca, lesões cutâneas avermelhadas e com coceira importante, sensação de fraqueza e desmaio, "falta de ar", cheira torácica, nervosismo, cólicas abdominais, vômitos e diarréia. Nos casos mais graves, pode levar à queda da pressão arterial, com perda da consciência (desmaio). Pode ser fatal, caso não seja tratada a tempo. Trata-se de uma emergência médica.

Qual o papel do alergologista?

O alergologista/imunologista é o médico especialmente treinado para investigar e tratar as doenças alérgicas, incluindo a asma. Para tornar-se um profissional dessa área, o médico tem que completar vários anos de treinamento. Como resultado desse treinamento intensivo, esse especialista é o medico mais qualificado para manejar eficazmente as necessidades abrangentes dos pacientes com doenças alérgicas.

Os alergologistas são treinados em relação à prevenção, ao diagnóstico e tratamento dos problemas relacionados ao sistema imunológico, como as doenças alérgicas, a asma, as deficiências imunológicas congênitas, as doenças auto-imunes e, até mesmo, a AIDS. Ao contrário do resfriado comum, uma doença alérgica não é uma condição passageira, pela qual a pessoa passará incólume. A ajuda de um profissional treinado pode ajudar a reduzir a freqüência com a qual os pacientes precisam ficar em casa, sem ir à escola ou ao trabalho, devido aos sintomas alérgicos. Os estudos mostram que os pacientes em acompanhamento com um alergologista/imunologista também apresentam menor necessidade de procurar atendimento em pronto socorro, além de terem maior capacidade de lidar com sua doença alérgica, no dia-a-dia.

Uma vez encaminhado ao alergologista, esse profissional realizará uma entrevista completa, incluindo perguntas sobre seus sintomas, história familiar e características dos ambientes doméstico e de trabalho. Além disso, indicará a realização de alguns exames, como os testes cutâneos ou o exame de sangue, e qualquer outro que considerar necessário. Todos esses passos ajudarão na realização do diagnóstico correto de sua doença alérgica. Para ajudar na prevenção dos sintomas, ele trabalhará com você na construção de um plano de tratamento, além de prescrever os medicamentos com melhor relação custo-eficácia. Além disso, ele será capaz de fazer recomendações quanto ao uso de medicamentos específicos e/ou dispositivos, além de orientar quanto a qualquer medida de controle ambiental que necessite ser realizada.

Copyright © 2008 Bibliomed, Inc.                                            21 de Fevereiro de 2008



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: