Publicidade

Artigos de saúde

Telefones celulares e acidentes de trânsito: Até que ponto essa relação é verdadeira?

Neste artigo:

- Telefone celular X Acidentes de trânsito
- Resultados encontrados
- Comentários


"Com o aumento do mercado de telefones celulares, sua utilização dentro dos carros pelos motoristas, enquanto dirigindo, têm tornado-se uma constante. Apesar de existirem, em alguns países, regulamentações proibindo essa atitude, não há ainda uma conscientização popular sobre o real risco da mesma. Muitas vezes, não há pesquisas estatisticamente comprovadoras e sim notícias periódicas de acidentes reunindo os telefones celulares como fator desencadeante de acidentes de trânsito".

Telefone celular X Acidentes de trânsito

O Dr. Donald A. Redelmeier e colaboradores da Universidade de Toronto – Departament of Medicine and of Health Administration, realizou um estudo onde foram avaliados motoristas que possuíam telefones celulares e sua possível relação com um maior risco de acidentes.

Os achados da pesquisa levaram à descoberta de um risco 4 vezes maior de colisões automobilísticas quando em uso de telefones celulares pelos motoristas. Assim, conversar nos celulares é muito mais arriscado do que escutar o rádio e conversar com outros passageiros por exemplo.

Todas as pessoas entrevistadas possuíam telefones celulares, tinham participado de uma colisão e disponibilizaram suas contas telefônicas para serem estudadas. Várias pessoas desconfiadas ficaram relutantes em entregar suas contas prévias e foram excluídas da pesquisa. Essas exclusões podem diminuir a magnitude do risco calculado: telefones celulares X acidentes de trânsito.

Outro fator que pode ter diminuído o risco encontrado no estudo é o fato de que a maioria das pessoas conversa no telefone enquanto dirigem em situações não estressantes. A propósito, quando o trânsito ou as condições climáticas ou outras condições diminuem a segurança do motorista, ele provavelmente irá evitar falar ao telefone. Assim, os possíveis acidentes frutos da utilização do telefone celular nessas situações tendem a ser menos comuns e por isso, não presentes no estudo em questão, o que pode falsear o risco total de colisão.

A própria consciência individual do motorista poderia ser considerada um fator atenuante do risco de colisão. Assim, caso uma pessoa considere-se mais superior e menos sujeita a acidentes de trânsito, o fato de fazer ligações não afetaria em nada seu risco. Entretanto, milhares de acidentes acontecem como surpresas das mais inesperadas principalmente em quem é atingido, independente de ser o motorista bom ou não.

A opinião da população com relação à criação de regulamentações mais rígidas sobre o uso de celulares poderia ser enriquecida através da conscientização do número de vítimas fatais dos acidentes de trânsito, além de outros inconvenientes quaisquer que podem ocorrer tanto para quem participou do acidente quanto para quem esteve prejudicado temporariamente por ele.

Resultados encontrados

Os achados do estudo permitiram certificar que o risco de acidentes devido aos celulares é algo real e sério. O risco foi o mesmo durante o dia ou à noite, diminuindo o fator de confusão relacionado com o alcoolismo ou outras condições que atrapalhassem o condutor. O risco foi também o mesmo no inverno e no verão, sugerindo que o risco está presente nas diversas condições das vias de tráfico. O risco foi o mesmo para chamadas recebidas e chamadas realizadas, sugerindo que o ato de discar não parece ser um fator principal contribuinte. Houve um maior risco para chamadas durante altas velocidades do que em baixas velocidades.

Apesar desse estudo não ter trabalhado com acidentes com vítimas, outros estudos já associaram os telefones celulares com acidentes fatais.

Comentários

Diante desses achados tem-se duas opções: educar ou restringir. O fato de que vários acidentes são causados por motoristas com anos de experiência em celulares parece forçar a solução para um processo de legislação regulamentadora e restritiva. O processo de educação pode estar inviabilizado devido ao extenso marketing realizado pelas empresas de telefonia celular.

Todos esses fatores acima citados indicam que o estudo transcorrido acima encontrou um risco menor do que a realidade para a relação entre telefones celulares e acidentes de trânsito. Assim fica reforçada a importância de se estudarem regulamentações naqueles países que ainda não as possuem, ao contrário de vários outros países que mesmo sem estudos estatísticos consistentes, já as implementaram através de evidências muito menos científicas dessa relação.

Copyright © 2002 Bibliomed, Inc.                20 de Agosto de 2002.



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: