Publicidade

Artigos de saúde

Colesterol: o que você precisa saber

Equipe Editorial Bibliomed

Neste Artigo:

- Introdução
- Lipídios e Colesterol
- Aterosclerose e Infarto do miocárdio
- Importância das campanhas
- Opções terapêuticas
- Índices de medida
- Veja outros artigos relacionados ao tema

"Colesterol, os médicos fazem um alerta à população sobre a necessidade de controlar seus níveis. O objetivo principal é detectar alterações e corrigi-las a tempo de evitar a ocorrência de doenças cardiovasculares, muitas vezes fatais".

Introdução

O Dia Nacional de Combate ao Colesterol, comemorado em 08 de agosto, é um convite para mudanças de hábitos alimentares, a prática de atividades físicas, o abandono do tabaco e o controle de outras doenças, como diabetes e hipertensão arterial. Ao longo do ano, a Sociedade Brasileira de Cardiologia, promove campanhas educativas em diversas capitais, visando reduzir o número de vítimas da aterosclerose e do infarto do miocárdio.

Os Lipídios (Fosfolipídios, Triglicerídios e Colesterol)

Os lipídios são substâncias produzidas pelo organismo, podendo também ser ingeridos através dos alimentos. Compreendem aos fosfolipídios (fundamentais para a formação das membranas das células), aos triglicerídios, (substâncias que armazenam energia no organismo), ao colesterol, aos glicolipídios, aos poliisoprenóides e a outros compostos.

O colesterol é uma molécula que se comporta como gordura (embora sua composição bioquímica não seja de gordura, mas de álcool complexo). Tem diversas funções: constituir a membrana das células, revestir as estruturas intracelulares, atuar na fabricação de hormônios e participar da composição da vitamina D (essencial para os ossos e para o crescimento).

Os lipídios são transportados na circulação sanguínea com auxílio das lipoproteínas, uma partícula que possui em seu interior gordura e colesterol. As lipoproteínas são divididas em diferentes classes, entre as quais estão o quilomícron, a VLDL, a LDL e a HDL. A mais conhecida é a LDL, uma lipoproteína de baixa densidade e considerada a "partícula ruim", e a HDL, de alta densidade e considerada a "partícula boa". É possível medir a quantidade de colesterol existente em cada uma dessas frações.

A ingestão de alimentos com muita gordura saturada (gordura sólida à temperatura ambiente) pode levar ao aumento do nível de LDL ("o colesterol ruim") no organismo. A gordura saturada não se transforma em colesterol. Na verdade, reduz a velocidade de eliminação do colesterol, facilitando assim sua deposição nos vasos sanguíneos. É a LDL que transporta a maior parte de colesterol pelo corpo. Cerca de 70% do colesterol que temos está "empacotado" na LDL. Já a HDL é uma partícula "ávida" por colesterol. Ela capta os lipídios deixados nos tecidos periféricos e os leva para o fígado, de onde serão eliminados. Por isso, é chamada de bom colesterol.

A Aterosclerose e Infarto do miocárdio

A maior parte do colesterol presente em nosso organismo é produzida por ele próprio. Cerca de 25% do colesterol são provenientes da alimentação. Por defeito genético ou enzimático, o indivíduo pode produzir muito colesterol. "Ninguém vive sem colesterol. O importante é tê-lo na medida certa", define o coordenador do Setor de Lipídios, Aterosclerose e Biologia Vascular da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Francisco Fonseca.

Existe uma ampla reserva de colesterol no organismo e o excesso pode determinar o entupimento dos vasos. Um dos principais temores de pacientes com nível total de colesterol elevado é a aterosclerose. Trata-se do endurecimento dos vasos sanguíneos causado pela deposição de gordura em suas paredes. Uma predisposição genética combinada ao fumo, ao estresse, à vida sedentária, ao diabetes e à pressão arterial elevada podem contribuir para a ocorrência da enfermidade.

Os ateromas são formados quando uma determinada região da parede vascular começa a apresentar maior quantidade de células, que ficam cada vez mais repletas de partículas LDL ("colesterol ruim"). O excesso de gordura acumulada leva à morte das células e a uma reação inflamatória. Assim, aumentam-se os riscos da estrutura do vaso se romper. Com a ruptura, inicia-se um processo de coagulação, que leva ao entupimento do vaso, podendo ocasionar o infarto do miocárdio. Durante o Congresso Brasileiro de Cardiologia, no ano passado, em Belo Horizonte, foi apontada a ocorrência de 300 mil mortes por doenças cardiovasculares por ano no Brasil, o que equivale a 821 mortes por dia.

Importância das campanhas

A importância de uma campanha para redução dos níveis de gordura saturada na alimentação é identificada através de uma projeção realizada com dados da população norte-americana. Se houvesse uma diminuição de apenas 2% no teor de gordura saturada nas dietas, poderiam ser evitados, por ano nos EUA, cerca de 100 mil infartos do miocárdio. A Finlândia registrava a maior taxa de mortalidade por doença coronária no mundo. Nos últimos 25 anos, o governo se esforçou para conscientizar a população com campanhas contra o fumo, pró-atividades físicas, a favor de alimentação saudável e de controle do colesterol. O resultado foi uma redução de 60% de mortes por doenças cardiovasculares.

Opções terapêuticas

Dieta saudável, exercícios físicos e medicamentos são as formas terapêuticas mais utilizadas. O uso de medicamentos não é indicado para todos os pacientes.

É fundamental observar o teor de gordura na alimentação. Quanto mais gordura se come, maior tendência para o acúmulo de LDL ("colesterol ruim"). Um estudo evidenciou que 13% dos componentes da dieta diária dos norte-americanos são de gorduras saturadas, enquanto o ideal seria não ultrapassar 10%.

Alimentos que fazem subir o mau colesterol geralmente são os de origem animal, como as carnes vermelhas gordas (que apresentam gordura visível e invisível - nas tramas musculares), queijos gordurosos, miúdos, frutos do mar, ovos, embutidos (salame, salsicha, presunto e mortadela), banhas, torresmo, toucinho defumado, massas folhadas e doces recheados. Em uma dieta nutricional para redução de colesterol dá-se preferência para peixes e frangos sem pele. Seguir à risca uma dieta alimentar pode significar a redução de cerca de 15% do colesterol total.

Acredita-se que o ácido graxo ômega 3, um poliinsaturado, ajude a reduzir o mau colesterol. As fibras solúveis, como aveia, e frutas, como maçã , goiaba e parte branca da laranja, melhoram o processo de absorção de colesterol.

O exercício físico não faz baixar o colesterol LDL, mas ajuda a aumentar a produção da HDL. Estudos recentes do Instituto do Coração de São Paulo (Incor) mostram que pessoas que fazem atividade física regular aceleram a "lavagem" de colesterol ruim dentro dos vasos sanguíneos. A remoção da LDL é até quatro vezes maior entre os adeptos da atividade física em relação aos sedentários.

Levar uma vida saudável, com alimentação adequada, atividades físicas regulares, manutenção do peso e campanhas contra álcool e fumo, do ponto de vista de saúde pública, são os requisitos para afastar o nível alto de colesterol da sua vida.

Índices de medida

Adulto sadio
Colesterol total ideal: até 200mg/dl
Limite aceitável: de 200mg/dl a 240mg/dl

Pessoas com fatores de risco
Colesterol total: até 130mg/dl

Pessoas com doenças coronarianas
Colesterol total: até 100mg/dl

Copyright © 2016 Bibliomed, Inc.                                       10 de agosto de 2016.



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: