Publicidade

Artigos de saúde

Os Óleos Medicinais, seus Usos e Terapias

A aromaterapia moderna nasceu na virada do século. Cientistas e terapeutas de lugares diferentes dedicaram-se ao seu estudo. A maior parte dessas pesquisas, que receberam forte influência da ideologia científica vigente, discorre quase que exclusivamente sobre os poderes anti-sépticos e antibióticos dos óleos essenciais e suas propriedades alopáticas. No início da década de 80, porém, os trabalhos desenvolvidos pela Universidade de Yale e na Universidade de Warwick, na Inglaterra, permitiram entender e conhecer melhor o mecanismo do olfato, abrindo novos e fascinantes caminhos de pesquisa e experimentação no campo da aromaterapia. Em 1887, a ação dos óleos essencial do orégano, da canela e dos botões de cravo já era estudada. Outros estudos por um lado, propunham métodos diferentes para medir o poder anti-séptico dos óleos essenciais no contato direto ou no seu estado gasoso.

Resistência

Apesar de todas as suas imperfeições e limitações, os vários métodos de análise do poder germicida dos óleos essenciais deram validade científica a aromaterapia. Hoje, já é possível entender melhor a ação das essências sobre os microorganismos: elas inibem algumas das suas funções metabólicas, como o crescimento e a multiplicação, e acabam por destruí-los. Embora exista um consenso quanto ao poder anti-séptico dos óleos essenciais, não se pode dizer quanto à sua classificação por suas propriedades antigênicas.

Segundo estudos sobre o assunto, os óleos essenciais são produtos da própria vida, sua composição química depende de tantos fatores que é impossível obter duas vezes exatamente a mesma essência. Análises diferentes, portanto, darão resultados diferentes. Os microorganismos não impõem resistência aos óleos essenciais. Pesquisas mais recentes sobre o assunto indicam que tal fenômeno se verifica, porém, num nível muito menor do que o encontrado no caso dos antibióticos sintéticos. Isso é perfeitamente compreensível se considerarmos que os óleos essenciais têm estrutura mais complexa e são produzidos pelos mecanismos de defesa da planta.

Poder Natural

O verdadeiro interesse dos óleos essenciais para a medicina está na sua ação in loco. Caso pudessem ser facilmente substituídos por produtos sintéticos em seus usos anti-sépticos, estes sempre causariam reações adversas em sua interação com o organismo, mesmo tratando-se de reproduções químicas de componentes naturalmente presentes nos óleos essenciais.
Os óleos essenciais possuem centenas de componentes químicos, a maioria em quantidades muito pequenas. Sabemos que alguns elementos traços são fundamentais para a vida. Da mesma forma o poder dos produtos naturais está na combinação de seus elementos, e seus elementos traços são no mínimo tão importantes quanto àqueles encontrados em maior quantidade. Não existe recriação sintética que consiga reproduzir com perfeição um produto natural. Daí a importância de utilizar sempre óleos essenciais extraídos diretamente da natureza.

Precaução

Nós dependemos das plantas em todos os sentidos - para obter alimento, energia e oxigênio - e temos uma relação de complementariedade com elas. Somos partes de um mesmo todo, que é a própria vida. É por isso que as plantas não representam uma agressão contra o organismo desde, é claro, que não haja abuso.

Segundo as teorias genéticas e da informação, que lidam com as questões da ordem e do caos, também justificam essa abordagem. De acordo com essas teorias, a adaptabilidade e a mobilidade no uso das informações incluem-se entre as principais características da vida. Um sistema vivo (uma célula, um organismo, um colônia de insetos, um grupo social) começa com determinados potenciais que tornam reais num processo interativo com o meio ambiente. Assim o embrião e o ser humano se desenvolvem a partir de uma única célula primordial por diferenciação. Além disso, a vida, parece usar estruturas universais como por exemplo as estruturas cromossômicas ou enzimáticas. Isto tudo indica que os sistemas vivos pegam informações de outros sistemas vivos. Assim, podemos dizer que eles incorporam informações alheias.

Cura

Se a chave da cura está dentro de nós mesmos, então só estaremos ganhando ao dar as informações certas para o organismo. Portanto, o estudo minucioso do papel dos óleos essenciais nas plantas nos ajudará a entender seu poder curativo, enquanto a observação de plantas específicas revelará as propriedades de cada óleo.

Os óleos essenciais desempenham um papel decisivo na bioquímica da planta; assemelha-se a hormônios localizados em pequenas "bolsas" entre as células e funcionam como reguladores e mensageiros. São eles os catalisadores das reações bioquímicas, pois são eles que protegem a planta de parasitas e doenças e que ajudam na fertilização. Por exemplo, as orquídeas, pertencente à família mais fascinante do reino vegetal, atingiram um altíssimo nível de desenvolvimento do processo, atraindo os insetos mais adequados para carregar seu precioso pólen para os distantes parceiros sexuais.

Os óleos essenciais carregam as informações de uma célula à outra e desencadeiam a reação hormonal da planta em situações de tensão. São os chamados agentes da adaptação da planta ao meio ambiente, por isso contêm hormônios. A sálvia, tradicionalmente conhecida para regular e promover a menstruação, contém estrogênio.

O ginseng, conhecido tônico e afrodisíaco, contém substâncias semelhantes a estrona. Também podem ser encontrados estrogênios na salsa, no lúpulo e no alcaçuz. O alecrim aumenta a secreção de bílis e facilita sua excreção.

Os óleos essenciais controlam a multiplicação e renovação das células. Têm efeitos citofiláticos e curativos no organismo humano (especialmente a alfazema, o gerânio, o alho, o hissopo e a sálvia). Eles também têm ainda propriedades anticarcinógenas. Costumam ser encontrados no exterior das folhas, na película das frutas cítricas e na casca de algumas árvores. Sua aplicação em cosméticos é um dos usos mais antigos dos óleos essenciais.

A maioria das plantas aromáticas cresce em áreas secas e seus óleos essenciais são produzidos pela atividade solar. Os óleos essenciais podem ser ainda considerados como a manifestação das forças cósmicas do fogo. Eles seriam produzidos pelo "eu" cósmico da planta, matéria dissolvendo-se em calor. Por isso são indicados para doenças que originam no corpo astral.

Campo Aberto

O sistema olfativo é o portão de entrada para o subconsciente, seria de se esperar que a psicoterapia usasse estímulos olfativos para curar distúrbios psicológicos. No entanto, as pesquisas nesse sentido são raras, talvez devido à dificuldade de sistematizar qualquer tipo de método terapêutico. As sensações causadas pelo cheiro são muito particulares. Cada indivíduo faz associações diferentes.

Óleos como néroli, alfazema, manjerona, rosa e ilangue-ilangue são tradicionalmente usados por seus efeitos calmantes nos casos de estresse. O óleo de jasmim é excelente para curar depressão ou ansiedade, mas a lista não pára aqui. A difusão é provavelmente um dos melhores métodos para usar os óleos essenciais dessa maneira.

Um procedimento bastante usado pelos profissionais desta área é o preparo de uma mistura dos óleos recomendados para ser usada durante a sessão terapêutica. O paciente pode usar a mesma mistura em casa para reforçar o tratamento. Esse método mostra-se especialmente eficaz quando combinado com qualquer técnica de relaxamento profundo (como a hipnose, meditação, ioga e certos tipos de massagem), pois esse estado facilita a ação profunda dos estímulos olfativos no paciente.

Terapias/ Extensão

A aplicabilidade de óleos e produtos naturais é extremamente extensa, em especial na dermatologia. Existe ainda uma tendência cada vez maior do uso de produtos naturais em formulas já tradicionais.

Para a pele e cabelo existe uma infinidade deles que vão desde a indicação acne, crescimento de cabelos, prevenção de rugas, seborréia, peles seca e oleosa, eczema, dermatite, erupções cutâneas, entre outros. Existem ainda indicações para inúmeros problemas de saúde como: amigdalites, circulação, blenorréia, dor de cabeça, problemas emocionais, cândida, artrite, problemas de fígado, espamos, intestinos, dores musculares e articulares, menopausa, sistemas: linfático-reprodutor-respitatório-nervoso. Enfim, uma série de problemas que pode ser tratada. Além disso, existe atualmente uma grande aplicação por parte de estudiosos do assunto, nos centros de energias e chakras, um tema que está em moda.

Vários estudos sobre os chamados óleos essências consideram que o homem ao usar estes óleos está buscando infinitas possibilidades de busca de um equilíbrio orgânico ao se tocar pelo poder que os óleos essências possuem.

Copyright © 2000 eHealth Latin America



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: