Publicidade

Artigos de saúde

É Possível ser Hipertenso com Níveis Pressóricos Normais?

A hipertensão arterial é uma doença na maioria das vezes primária – sem uma causa bem definida – relacionada com uma hiperatividade das artérias o que as leva a se manterem contraídas.

A longo prazo, leva a distúrbios em diversos órgãos nobres como o coração, rins, cérebro e retina. Por isso, é de extrema importância que seja diagnosticada o mais precoce possível para que assim, possam ser mantidos os níveis pressóricos dentro dos valores normais evitando as complicações tardias da doença.

O diagnóstico é feito através da mensuração da pressão arterial durante uma consulta médica. Tal medida deve ser repetida pelo menos duas vezes na primeira consulta e também após alguns meses para se ter certeza do diagnóstico. É plenamente sabido da existência de pessoas que possuem a chamada hipertensão do avental branco.

Essas pessoas só apresentam níveis pressóricos elevados quando na presença do médico, sendo que ao medirem-na em outros locais como farmácias, praças, etc, mantém uma pressão arterial normal.

Estudos já demonstraram que 20% a 30% de pessoas com hipertensão no consultório têm essa alteração. Esses são casos de difícil diagnóstico cuja melhora com várias drogas distintas não é obtida, levando ao uso de medicamentos em excesso e desnecessários.

Uma outra situação pouco conhecida e citada por alguns estudos é a normopressão do avental branco (NAB), ou seja, pessoas que normalmente têm hipertensão arterial mas que nos consultórios apresentam uma pressão arterial normal.

Assim, essas pessoas passam despercebidas e como a hipertensão arterial raramente dá sintomas por si só, elas vão apresentar os sintomas mais tardiamente devido às complicações nos órgãos alvo já citados acima.

Um estudo realizado pelos Drs. Wolfgang Linden, Christopher Selenta e Brenda Hogan do Departamento de Psicologia da Universidade de British Columbia – Canadá, procurou determinar a presença dessa alteração em pessoas tidas como normotensas (pressão arterial normal). O resumo foi publicado na revista médica Archives of Family Medicine deste ano.

Como foi feito o estudo?

Foram selecionadas pessoas sabidamente normotensas. O grupo foi composto de estudantes e pessoas da comunidade em geral, dos quais 154 eram homens e 165, mulheres. O único critério de exclusão foi o uso de drogas cardio-ativas.

Os participantes tiveram suas PAs (pressão arterial) medidas cinco vezes em quinze minutos no consultório e depois utilizaram um dispositivo para medir a PA fora do consultório por 8 a 12 horas (diurnas) em dias normais, sem fatores estressores específicos.

Além disso, foram respondidos questionários demográficos e psicológicos relacionados com estresse, limiar de decepção, depressão, hostilidade, expressão de raiva e contribuição social. Tais características emocionais têm uma relação comprovada com alterações cardiovasculares. O limite superior da PA no consultório foi considerado 140 x 90 mmhg, e fora do consultório, 135 x 85 mmhg (o primeiro número da PA – 140 e 135 – é a PA sistólica e o segundo – 90 e 85 – é a PA diastólica).

Como foram interpretados os dados e quais foram os resultados?

Tentou-se perceber características específicas das pessoas que apresentaram a alteração – normotensão do avental branco (NAB) – de acordo com as respostas aos questionários psicológicos e com os hábitos de vida que foram documentados: tabagismo, alcoolismo e nível de atividade física.

Ao todo, cerca de 24% das pessoas tiveram o diagnóstico de NAB. Houve um grupo de pessoas que apresentou um aumento da PAS. Esse grupo tinha um maior consumo de álcool e era composto por uma maioria masculina em relação aos normotensos.

Um outro grupo apresentou um aumento da PAD. Este, por sua vez, era composto por pessoas mais velhas que os normotensos e incluiu uma proporção maior de ex-fumantes. Assim 70% das pessoas com NAB eram do sexo masculino enquanto 40% dos normotensos o eram, 37% dos NAB tinham uma história passada de tabagismo enquanto somente 17% dos normotensos a tinham.

Como melhorar a precisão diagnóstica?

O aumento do número de mensurações da PA no consultório de duas para cinco vezes não aumentou a acurácia diagnóstica, ao contrário do que se pensou. Outro achado foi o de que a acuidade da mensuração da PA no consultório é menor quando os níveis pressóricos se encontram dentro de uma variação de 10 mmhg do limite superior (140 x 90 mmhg).

Assim, há uma maior certeza da veracidade da medida quando os níveis se encontram abaixo de 119 x 69 mmhg ou acima de 10 mmhg do limite superior.

Conclusões

A importância da NAB pôde ser percebida devido à sua prevalência alta (24%) em pessoas sabidamente normotensas nesse estudo.

Outros estudos têm chegado a números bem parecidos. Diante disso, como conseguir diagnosticar a hipertensão arterial em tais pessoas? Certamente, a mensuração da PA fora do consultório é algo impraticável quando se pensa na população como um todo, pelo fato de se demandar uma enorme modificação logística a nível de saúde pública e convênios privados.

No entanto, o conhecimento das características bio-psico-sociais das pessoas que desenvolveram a NAB pode possibilitar uma triagem de todos pacientes, e assim, a mensuração das PAs fora do consultório somente de um grupo selecionado de pacientes considerados mais propensos a desenvolvê-la.

Nesse estudo, pôde-se perceber uma relação da NAB com o uso de bebidas alcoólicas, tabagismo tanto pregresso quanto atual, idade mais avançada, sexo masculino e um maior controle do sentimento de raiva.

Esses achados sugerem haver uma relação da NAB com fatores de risco para doenças cardiovasculares. Entretanto, essas características são ainda inespecíficas sendo incapazes de selecionar com exatidão aqueles pacientes que necessitam de uma avaliação mais cuidadosa.

Apesar de não terem sido confirmadas as relações das características psicológicas pesquisadas nos questionários com a NAB nesse estudo, estudos posteriores mais profundos sobre a influência desses aspectos no desenvolvimento dessa alteração pressórica são de extrema importância para que se consiga uma melhor seleção desses pacientes.

Reunindo os casos de hipertensão do avental branco com os de normotensão do avental branco, pode-se considerar que de um terço à metade das medidas de PA nos consultórios são equivocadas, o que exprime a necessidade de se aumentar o conhecimento sobre as influências e causas dessas situações para que se possa diminuir o número de pessoas falsamente diagnosticadas como hipertensas ou erroneamente não diagnosticadas como tal.

Fonte: Archives of Family Medicine 2000;533-540

Copyright © 2000 eHealth Latin America



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: