Publicidade

Artigos de saúde

Beber Cerveja Protege o Coração

Os efeitos do álcool sobre o coração são diversos - o abuso do álcool pode ser associado com insuficiência cardíaca de várias maneiras diferentes, sendo a miocardiopatia alcoólica a mais comum doença cardíaca relacionada ao álcool. Por outro lado, o consumo de álcool em quantidades moderadas já se demonstrou benéfico, existindo uma associação inversa entre o uso moderado de bebida alcoólica e as doenças das artérias coronárias.

No ano de 1972 o epidemiologista da Universidade de Harvard, Carl Seltzer, ao examinar informações do Framingham Heart Study, verificou que as pessoas que ingeriam bebida alcoólica tinham menos doenças cardíacas do que os abstêmios. O projeto Framingham foi o primeiro de muitos estudos a identificar que o uso moderado do álcool era um agente profilático contra as doenças cardíacas.

Hoje, mais de 40 estudos clínicos já foram capazes de comprovar este fato. Os resultados destes vários trabalhos demonstram que as pessoas que consomem até três doses de bebidas por dia apresentam uma diminuição do risco de contrair doença coronária na faixa de 10% a 40% , em relação às pessoas que não bebem.

Esta redução geralmente é atribuída aos efeitos benéficos do álcool nos lípides e em relação aos fatores da coagulação. Por outro lado, sabe-se que o vinho tinto aumenta o nível de compostos antioxidantes no sangue de forma rápida. Esta informação foi recentemente corroborada por pesquisadores australianos, da Universidade do Oeste da Austrália em Perth, na edição de janeiro de 2000 da revista American Journal of Clinical Nutrition.

O vinho tinto tem sido considerado como sendo potencialmente cardioprotetor por conter compostos fenólicos, que inibem a oxidação do LDL (colesterol de baixa densidade, o chamado "mau colesterol") in vitro. Permanece a controvérsia, entretanto, se os efeitos protetores ocorrem apenas em determinadas bebidas, como no caso do vinho tinto, ou relacionam-se especificamente ao etanol.

O estudo

Para tentar responder a esta pergunta, pesquisadores da Inglaterra (do International Centre for Health and Society, Department of Epidemiology and Public Health, University College London)e da República Tcheca, liderados pelo Dr. Martin Bobak conduziram uma pesquisa neste segundo país, onde a bebida alcoólica preferida é a cerveja. Os resultados desta pesquisa foram publicados na revista British Medical Journal de 20 de maio de 2000.

Os cientistas avaliaram homens com idades entre 25 e 64 anos de 5 distritos da república Tcheca, e que já haviam apresentado um primeiro infarto do miocárdio, nos 18 meses anteriores.Um grupo da população selecionado de maneira randômica serviu como grupo de controle. As informações dos participantes que já haviam sofrido infarto e das pessoas do grupo de controle foram colhidas de modo semelhante.

Foi solicitado aos participantes que informassem a frequência com que ingeriam qualquer bebida alcoólica. As pessoas estudadas foram catalogadas nos seguintes grupos: nunca ingeriam álcool; ingeriam álcool menos do que uma vez por mês; uma ou duas vezes por mês; várias vezes por semana; quase todos os dias ou diariamente; e duas ou mais vezes por dia.

Os participantes informaram ainda qual quantidade de vinho, deste lados, e de cerveja que consumiam durante uma semana típica.

O consumo médio de álcool puro verificado foi de 148 g por semana, 87% das quais foi ingerido na forma de cerveja. Perguntas feitas às pessoas em geral acerca de seu consumo de bebida alcoólica geralmente levam a uma subestimação da quantidade total ingerida, mas ao avaliar estas pessoas em relação a um consumo médio ao longo prazo o resultado obtido é razoavelmente confiável.

Os pesquisadores analisaram, então, aqueles participantes que não bebiam, e aqueles que bebiam exclusivamente cerveja. Para realizar a avaliação do grupo estudado, os participantes que não bebiam e os que bebiam exclusivamente cerveja foram divididos em 4 grupos: <0.5 l (cerca de 18 g de álcool) incluindo os que não bebiam ; 0.5-3.9 l (18-144 g de álcool ); 4-8.9 l (145-324 g de álcool ); e igual ou superior a 9 l (325 g de álcool).

Resultados

Neste estudo, um menor risco de infarto do miocárdio foi observado entre homens que beberam quase que diariamente ou todos os dias, totalizando de 4 a 9 litros de cerveja por semana (ou de meio litro a 1 litro por dia, aproximadamente). A análise dos dados sugeriu ainda que o efeito protetor desaparecia em homens que bebiam esta quantidade duas ou mais vezes por dia. Segundo os autores, este resultado é semelhante aos de estudos realizados com outras bebidas.

Os pesquisadores acreditam que os seus resultados são confiáveis, pois o fato de restringir a análise a pessoas que bebem exclusivamente cerveja acabou por eliminar a possibilidade de se obter uma estatística resultante de erros de interpretação.

E ainda, são semelhantes aos obtidos em outro estudo realizado em 1997 por cientistas de Munique e Alemanha, que procuraram avaliar a população da Bavária (que bebe predominantemente cerveja) em relação às doenças cardíacas (este trabalho foi publicado na revista Epidemiology).

Segundo o grupo do Dr. Bobak, os seus resultados confirmam que o efeito protetor da ingestão de álcool se deve ao próprio etanol, e não a substâncias específicas que se encontram presentes nos diferentes tipos de bebidas.

Fonte: BMJ 2000;320:1378-1379 (20 May)

Copyright © 2000 eHealth Latin America



Publicidade

Dicionário Médico

Digite o termo desejado

buscar

Ou clique na primeira letra do termo: